Extintores de incêndio

Nem todos os tipos de extintores são adequados para todos os tipos de incêndios. De facto, alguns extintores utilizados no contexto errado podem agravar a situação. É por isso fundamental saber que os vários tipos de extintores classificam-se em quatro grandes classes (A, B, C, D) de acordo com a natureza do combustível.

Classes de fogo

Fogos de Classe A resultam da combustão de materiais sólidos (p.ex. madeiras, plásticos, papel, etc). Os agentes extintores mais adequados são: água, água com espuma ou pó químico do tipo ABC.

Fogos de Classe B resultam da combustão de líquidos (p.ex. óleos, gasolina, álcool,etc). Neste caso os agentes extintores mais adequados são: água com espuma, pó químico do tipo ABC ou BC e dióxido de carbono.

Fogos de Classe C envolvem gases (p.ex. gás natural, propano, butano, etc). Para este tipo os agentes extintores mais adequados são: pó químico do tipo ABC ou BC, dióxido de carbono.

Fogos de Classe D estão relacionados com metais (p.ex. pó de alumínio, magnésio, sódio). Para este tipo o mais adequado é o pó químico do tipo D.

Para os casos envolvendo equipamentos eléctricos em tensão deve-se usar dióxido de carbono.

Tipos de extintores

Extintores de água

São bons para combater incêndios onde os materiais absorvem a água e com isso arrefecem, extinguindo o incêndio. Estes extintores não contêm produtos químicos prejudiciais, mas têm uma baixa eficácia no combate a incêndio. Os mais usados possuem recipientes recarregáveis com uma capacidade entre 6 e 9 litros.
Como a água é um electrólito e condutor de electricidade e estes extintores projectam água em jacto ou pulverizada, deve-se ter cuidado no caso de existirem cabos de energia expostos. Todavia, quer o peso quer os problemas de condutividade podem ser ultrapassados pela utilização de extintores de água com aditivos ecológicos.
Os extintores de água com aditivos permitem a utilização de extintores menores, mais leves e que não são condutores de electricidade.

Extintores de espuma

Actuam por asfixia e arrefecimento sobre o fogo, que se extingue por falta de oxigénio. A espuma também penetra em materiais porosos e arrefece o fogo através de evaporação do conteúdo de água na espuma. Como ela cria um tapete de espuma sobre líquidos como gasolina em chamas, os extintores de espuma também são adequados para líquidos inflamáveis e áreas onde fibras sintéticas em tecidos de decoração e tapetes pode tornar-se líquida sob a influência do calor. Estes extintores são seguros para uso com equipamento eléctrico, embora esse equipamento será danificado pelo líquido.

Extintores de pó químico

Têm uma boa capacidade de combate de incêndio, mas o pó não é absorvido pelos materiais e por isso não tem um bom efeito de arrefecimento sobre o fogo, o que pode potenciar a ocorrência de reacendimentos. É preciso cuidado para não inalar este tipo de pó e por isso não deve ser usado em pequenos espaços fechados.

Extintores de CO2 (dióxido de carbono)

Contêm apenas gás pressurizado e portanto não deixam nenhum resíduo. Este tipo de extintor é pois uma boa solução para extinguir os incêndios que envolvem equipamentos de computador e outros aparelhos eléctricos, uma vez que não provoca danos nos equipamentos eléctricos nem curto-circuitos.
Quando se utiliza um extintor de CO2 é preciso muito cuidado porque o CO2 ao vaporizar-se sob a forma de "neve carbónica" pode atingir os -78ºC, pelo que é necessário extremo cuidado quando usado na presença de outros indivíduos.